Fundação Manuel Viegas Guerreiro

A Fundação Manuel Viegas Guerreiro, instituída por escritura celebrada em 11 de Abril de 2000 no Cartório Notarial de Loulé e reconhecida pelo Governo através da Portaria n.º 1334/2004 de 23 de Dezembro, é uma pessoa coletiva de direito privado, visando fins de utilidade pública.
Com sede em Querença, terra natal do Patrono, tem como fim contribuir e promover a todos os níveis o desenvolvimento cultural, social e económico do Algarve, através de grandes eventos culturais e artísticos, bem como dinamizar e promover a investigação, com particular relevo para as áreas de natureza social, cultual e ambiental.

Inauguração da Fundação Manuel Viegas Guerreiro, com a presença do Presidente da República, Aníbal Cavaco Silva.
Inauguração da Fundação Manuel Viegas Guerreiro, com a presença do Presidente da República, Aníbal Cavaco Silva.

O edifício sede usufrui de um Centro de Estudos Algarvios, onde é possível consultar sensivelmente tudo o que foi publicado sobre o Algarve, contém ainda um auditório, com capacidade para cento e vinte pessoas, destinado à realização de eventos culturais, espetáculos, seminários e congressos.

A Fundação Manuel Viegas Guerreiro tem vindo a editar um conjunto de fotobiografias de algarvios ilustres, entre elas a do Professor Manuel Viegas Guerreiro, do Professor Manuel Gomes Guerreiro e do Poeta Cândido Guerreiro. Em 2017, publicou a obra Manuel Viegas Guerreiro, Moçambique, 1957. 

Desde 2016, a Fundação organiza anualmente o FLIQ - Festival Literário Internacional de Querença.

Actualmente, encontra-se a implementar o Percurso Eco-Botânico Manuel Gomes Guerreiro, em parceria com a Câmara Municipal de Loulé e a Universidade do Algarve. O investimento de cerca de €206 mil é comparticipado pelo programa CRESC ALGARVE 2020.

A Fundação Manuel Viegas Guerreiro foi a entidade promotora do Plano de Recuperação e Valorização do Património e da Paisagem Rural da Freguesia de Querença, com um investimento total de €883.500. Este plano teve como finalidade reforçar a identidade e a imagem da Freguesia de Querença enquanto produto turístico e de lazer, aproveitando os recursos endógenos locais.
Foi ainda a responsável do Projecto de Querença 1 que envolveu nove estudantes universitários da Universidade do Algarve que durante nove meses estiveram em Querença, orientados por Professores e Técnicos de vários organismos, a desenvolver iniciativas de desenvolvimento local.